Personalização na era da informação

Por Fernando Wosniak Steler, CEO da Direct One


Publicado na Revista Negócios da Comunicaçãohttp://portaldacomunicacao.uol.com.br/textos.asp?codigo=20774

 

A base de dados pode ser convertida em poderosa ferramenta de marketing

Sabemos cada vez mais sobre os clientes. O único problema é que, apesar de as empresas terem mais informações sobre os clientes, a maioria delas ainda não utiliza estas informações para se relacionar e fazer marketing um a um. Uma coisa é possuir os dados internamente, outra coisa é utilizá-los em peças de marketing de forma bem integrada.

Ora, se o marketing direto tem por conceito abrir um diálogo direto com os receptores das mensagens, nada mais adequado do que conhecer a fundo o seu receptor e desenvolver essa mensagem de forma personalizada. Dados relevantes, combinados com o avanço da tecnologia e da impressão digital sob demanda de serviço, vem permitindo às organizações, de forma perfeitamente consistente, trazer personalização e cross media (integração de e-mail, telefone, hotsite, mobile site etc.) para o próximo nível do marketing. É certo que, com o avanço da internet, a personalização digital é a nova fronteira do marketing. Sob essa perspectiva, quanto mais dados as empresas tiverem sobre seus clientes, maiores serão as chances de retorno.

A impressão de dados variáveis ou VDP (Variable Data Print) acontece quando utilizamos um equipamento de impressão digital conectado a uma base de dados para personalização de cada impresso. Os registros do banco de dados contêm uma grande parte ou todo o conteúdo do impresso, que além de texto e imagens, personaliza também fotografias, fontes, layouts, cores, mapas, pesquisas etc., construindo um documento único para cada receptor.

Assim, a personalização melhora a eficácia da comunicação contida no documento, pois o conteúdo da mensagem é direcionado com inteligência ao receptor, uma vez que a base de dados contém informações relacionadas somente a ele. O documento é individualizado com elementos atrativos e 100% direcionados. Se preferirem, as empresas também têm, ao toque de poucos cliques, a ferramenta web-to-print, cuja tradução literal é "da web para a impressão". A tecnologia consiste em um site ou portal de internet específico para uma pessoa, empresa ou agência editar e fazer pedidos online dos materiais impressos de comunicação, controlando a identidade visual da companhia, bem como seus custos e estoques.

Há ainda os QR-Codes Personalizados, códigos de barras 2D, que podem ser interpretados rapidamente por câmeras digitais VGA contidas em aparelhos de telefone celular e afins. Impressos em malas diretas, revistas ou sites para conexão com aparelhos celulares.

Já a Realidade Aumentada oferece a possibilidade de fundir o ambiente real com objetos tridimensionais virtuais. É definida como a sobreposição de objetos virtuais 3D e/ou vídeos, gerados e fundidos por computador via webcam em um ambiente real. Pode ser utilizado como forma de interação digital com malas diretas ou anúncios em revistas. O grau de interação do usuário é enorme. O cliente faz uma imersão digital com o conteúdo de uma campanha ou uma marca. O fato é que, sobretudo na última década, as organizações têm trabalhado duro para priorizar esforços na coleta de dados de seu público-alvo. Agora, é o tempo para o retorno.